PUBLICIDADE
Agronegocios

Chuva salva a lavoura de Naviraí

| SUL NEWS


 

Os produtores que cultivaram cerca de 43 mil hectares de soja, no município de Naviraí, ficaram aliviados com os 130 milímetros de chuva que caíram na região na primeira quinzena de janeiro. Foi o bastante para que decidissem desistir do pedido de decreto de situação de emergência, que seria feito ao prefeito Zelmo de Brida (PMDB).

Com a estiagem, no municípios de Naviraí deve haver a quebra de produtividade de 15%, de acordo com as estimativas preliminares do engenheiro-agrônomo Antônio José Meireles Flores (Tuca), do Departamento Agronômico da cooperativa Copasul. “A estiagem fez atrasar o plantio, feito entre 12 a 25 de novembro, e a estiagem pegou as plantas em crescimento vegetativo, comprometendo a caixa de produtividade, na nossa região”, afirmou.

As chuvas que caíram no final de novembro “foram pancadas em pontos isoladas”, e nas duas ocasiões geraram três e quinze milímetros.  Em dezembro houve apenas uma chuva geral, com 17 milímetros e a chuva começou a cair em volume satisfatório no dia 31 de dezembro.

O volume de chuva no início do ano está sendo satisfatório, mas dificilmente deverá haver a colheita com rendimento médio estimado inicialmente em 50 sacas/hectare (3 mil quilos) para esta safra de verão 2008/09.  Com a possível quebra de 15%, aguarda-se a colheita de 42,5 sacas de 60 quilos por hectare (2,55 mil kg/ha).

Segundo Meireles Flores, os produtores de soja de Naviraí estão otimistas com as condições climáticas. A previsão dos institutos que fazem as previsões climáticas é de que na região do cone Sul deva haver 220 milímetros de precipitação plulviométrica em janeiro, 200 em fevereiro e 180 em março.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE