PUBLICIDADE
Caarapó

Vestibular da UFGD é marcado por acidentes e tumultos

Muitos vestibulandos caarapoenses não conseguiram realizar a prova devido a incidentes.

| CAARAPONEWS


Por Silmara Diniz

Mais de 9,5 mil inscritos em Dourados, Campo Grande, Três Lagoas, Corumbá e Naviraí, 2,5 mil deles vindos de outros estados do País, como São Paulo e Paraná. O número significativo de inscritos para o Processo Seletivo de Verão 2009 da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados) não evitou que os acidentes e tumultos envolvendo vestibulandos acontecessem, principalmente no período da manhã de ontem (25), turno da primeira fase das provas, na cidade de Dourados.
  Os prédios com maior número de candidatos em Dourados foram os da UFGD e da UEMS, onde se registrou também o maior índice de abstenções, mais de 20%, ou seja, cerca de 700 estudantes deixaram de realizar as provas apenas nestes locais. Incidentes envolvendo carros e motos deixaram o trânsito lento e muitos estudantes, inclusive os que seguiam para os locais de prova de ônibus, terminaram o trajeto a pé a partir das proximidades da Brigada Guaicurus.
  Os ônibus de Caarapó, de acordo com os estudantes, chegaram em frente aos prédios das universidades às 7h40, cinco minutos antes do fechamento dos portões. Os estudantes reclamaram da falta de informação dada pelos fiscais e da dificuldade em achar as salas, não informadas em frente aos prédios, somente em cada bloco. “Pedi uma informação sobre minha sala, o fiscal me falou ‘acho que é ali’, vinha outro e me dizia que não, acabei perdendo a prova pelos minutos que fiquei procurando a sala”, disse Giovana Fortes.
  O candidato ao curso de Medicina, Weddie Bim, conta que a escola onde realizou a prova era longe e chegou a reclamar, mas completa: “Quando fiquei sabendo que muita gente não conseguiu fazer a prova, dei graças a Deus por ter ido para outra escola”.
  O motorista e proprietário do Trans Edivan, Edvan Gomes, lamentou o atraso e disse ter cometido um erro por não calcular a possibilidade de atrasos devido a acidentes e outros motivos.
  Segundo o pró-reitor de ensino e graduação da UFGD, Sidnei Azevedo, todas as publicações feitas a respeito do processo seletivo afirmavam a necessidade do candidato conhecer o local de realização da prova e chegar com antecedência mínima de 45 minutos. Ele ainda afirmou que no próximo vestibular será ampliado o número de escolas no centro da cidade para facilitar o acesso e diminuir o engarrafamento até o campus da Cidade Universitária.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE