PUBLICIDADE
Caarapó

Na Vila Belmiro, Peixe joga mal e vacila no final

| GLOBO.COM


Jogando mal e sendo dominado em vários momentos da partida, o Santos empatou em 1 a 1 com o Mirassol, nesta quinta-feira à noite, na Vila Belmiro, e deixa o Palmeiras escapar. O Verdão é líder do Paulistão com nove pontos, já o Peixe fica com sete. O Mirassol, com cinco, segue invicto. O jogo foi marcado por falhas dos goleiros. Os gols saíram porque Fabiano e Fábio Costa não conseguiram interceptar chutes que eram defensáveis.
 

 

 

Goleiro falha e Roni desencanta
 

 

  

O Mirassol começou o jogo apertando o Santos. Com três zagueiros e uma marcação muito forte no meio-de-campo, o time do interior chegou a deixar o Peixe acuado. As descidas do lateral-direito Roger e as jogadas individuais do atacante wesley assustavam os santistas.


Mas apesar de ameaçar, os visitantes não conseguiram acertar o alvo e, aos poucos, o Santos foi se acertando em campo. Com bons passes de Lucio Flavio e descidas velozes do lateral-direito Luizinho, o Alvinegro levou o jogo para o seu campo de ataque.


Aos 18, em uma falta cobrada por Lucio Flavio, da esquerda, o Alvinegro chegou a balançar as redes, com Fabão, escorando de cabeça. No entanto, o zagueiro estava impedido e a jogada foi anulada. O lance assusstou o Mirassol e fez com que o time da casa tomasse conta de vez do jogo.


No entanto, mesmo tendo o domínio da bola, o Peixe tinha dificuldades para entrar na defesa adversária. Kléber Pereira insistia em levar pelo meio e as tabelas com Roni não funcionavam.


Foi aí que apareceu a ousadia de Roni. Aos 38, cansado de bater cabeça com zagueiros e de apostar corrida com laterais, o camisa 7 recuou para receber um passe de Roberto Brum. Dessa vez, não buscou a tabela com Kléber: resolveu arriscar dali mesmo, da intermediária. O chute de direita não saiu tão forte, mas desviou em Júnior Maranhão. Foi o suficiente para provocar a falha do goleiro Fabiano, que não conseguiu segurá-la.
 

 

 

 

Fábio Costa devolve presente
 

 

O segundo tempo teve um nível técnico sofrível. O Mirassol teve o domínio da posse de bola, virada o jogo de um lado para o outro, mas não conseguia avançar. Isso porque seus atacantes, atrapalhados, não conseguiam concluir.  
 

 

O Peixe, por sua vez, se portava como o time visitante. Acuado, com todos os jogadores atrás da linha da bola - até Kléber Pereira corria atrás dos zagueiros - o Alvinegro apenas assistia ao adversário jogar. A situação do Peixe piorou quando Madson se machucou. Sem o baixinho, que foi substituído por Molina, o Santos perdeu a jogada de contra-ataque e ficou ainda mais atrás.
 

 

Vendo um time muito atrás e sem nenhuma perspectiva de acertar qualquer jogada, a torcida começou a vaiar a partir dos 30 minutos.  
 

 

A insatisfação das arquibancadas fez o time santista apresentar um lampejo. Mas nada de jogadas trabalhadas: em dois lances individuais de Molina, que arriscou chutes de fora da área, o Peixe chegou perto do segundo gol.
 

 

Ao fim, veio o castigo pela falta de ousadia. Roberto Brum perdeu a bola no meio, Wesley avançou e chutou forte. A bola foi em cima de Fábio Costa, que não conseguiu segurar. Assim como o Fabiano falhou a favor do Peixe, o capitão santista devolveu o presente para o Mirassol.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE