PUBLICIDADE
Região

Índios ignoram Funai e mantêm bloqueio da rodovia MS-156

| DOURADOSINFORMA


Pelo terceiro dia consecutivo índios guarani-caiuás bloqueiam a rodovia MS-156, que liga Dourados a Itaporã, no trevo de acesso a Reserva Indígena de Dourados. A rodovia está bloqueada desde a manhã de segunda-feira.


Eles mantêm os protesto mesmo depois da direção nacional da Funai (Fundação Nacional do Índio) anunciar ontem que a administradora regional do órgão na região cone sul do Estado, Margarida Nicoletti, será mantida no cargo. As declarações foram dadas vice-presidente da Funai, Aloysio Guapindaia, e divulgadas no site órgão.


Conforme a Funai, não haverá qualquer tipo de negociação com o grupo de índios que ocuparam a sede do órgão em Dourados e bloquearam rodovias em quatro municípios da região para cobrar a saída de Margarida.


Na nota divulgada no site do órgão, a Funai afirma que Margarida realiza uma administração transparente, em constante diálogo com a maioria das lideranças indígenas, que em parceria com a administradora desenvolvem ações sociais de acordo com a demanda das comunidades nas aldeias da região.


Segundo a direção nacional da Funai, os protestos realizados desde a semana passado são comandados por um pequeno grupo de lideranças da terenas que querem assumir o comando do órgão na região.


Os manifestantes continuam acampados em frente à sede da Funai em Dourados e prometem permanecer no local até que a direção nacional do órgão concorde com a substituição de Margarida por um índio. Ontem pela manhã, eles voltaram a bloquear a rodovia MS-156, que liga Dourados a Itaporã.


Conforme Bete Moreira, da ONG (Organização Não-Governamental) Índias em Ação, caso não haja um posicionamento da Funai em favor da saída de Margarida, o grupo pretende enviar pelo menos 50 pessoas à Brasília para pressionar a direção nacional do órgão.


APOIO


Ontem, lideranças e caciques de 17 municípios do cone sul do Estado participaram de uma assembleia em Dourados e confirmaram apoio à permanência da atual administradora regional da Funai. Conforme Anastácio Peralta, da Comissão Nacional de Políticas Indigenistas, atualmente, a maior preocupação da comunidade indígena é a demarcação de seus territórios tradicionais e Margarida Nicoletti tem exercido um papel importante em apoio à ampliação das terras indígenas no Estado.


Mesma opinião tem o cacique da aldeia Nhanderu Marangatu, em Antônio João, Amilton Lopes. Ele acredita que qualquer mudança no comando da Funai neste momento pode atrapalhar o processo de demarcação de terras no Estado. “São pequenos grupos que não representam a maioria da comunidade indígena. Somos a favor da demarcação de nossas terras e a Margarida tem sido fundamental neste processo’, disse.

 


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE