PUBLICIDADE
Geral

Copa 2014: “Saímos na frente com placar de 15 a 0”, diz Puccinelli

| DOURADOSINFORMA


As demonstrações de entusiasmo, carinho e patriotismo da população campo-grandense surpreenderam a todos na tarde desta terça-feira (3). O governador André Puccinelli avalia o episódio como único e já acredita na escolha da Capital como subsede da Copa de 2014.


“Ficamos extremamente contentes e impressionados com as pessoas nas ruas, agitando bandeiras e comemorando. O Ricardo Teixeira [presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF)] ficou embasbacado e dizia a todo momento: ‘Isso parece final de Copa do Mundo. Nunca tinha visto isso’. Tenho certeza de que já estamos na frente das outras cidades do Centro-Oeste, com placar de 15 a 0”, comemorou Puccinelli.


O governador disse que a equipe técnica da CBF e Fifa chegaram para a visita técnica munidos de informações sobre Campo Grande. “Eles sabiam sobre estrutura, população e outros dados. Mas ficaram impressionados com a instalação do 3º Batalhão do Exército de Aviação na Capital. Nós não escondemos as deficiências. Em resposta, assumimos o compromisso de fazer o que for preciso para confirmar a capital como subsede”, informou o governador.


Campo Grande tem como pontos fortes na defesa para sediar jogos da Copa de 2014 a topografia plana, avenidas largas e arborizadas, índices de saneamento e segurança pública satisfatórios, e conta com um aeroporto internacional. O prefeito Nelson Trad Filho anunciou que o trabalho de melhoria da infra-estrutura vai continuar mesmo na improbabilidade da Capital não ser escolhida.


“Já temos R$ 800 milhões garantidos em investimentos. Logo que o Brasil foi anunciado como sede da Copa, as ações de melhoria já tiveram início. Vamos investir em energia e na ampliação do aeroporto, que passará a receber 2 milhões de passageiros por ano, igualando-se ao nível do [aeroporto] Viracopos [em Campinas, interior de São Paulo]”, afirmou Nelsinho.


Nelson Trad Filho acrescenta os questionamentos feitos pela equipe técnica. “Sobre o Morenão, eles perguntaram se era realmente dentro de uma universidade, que no caso é a Federal [Universidade Federal de Mato Grosso do Sul – UFMS]. Esse questionamento refere-se ao legado que a Copa deixará para Campo Grande. O Estado tem o Pantanal, tem o Aqüífero Guarani, as oportunidades são imensas com a confirmação do Estado como subsede”, reforça o prefeito.


Para o secretário nacional de Esportes do Paraguai, Feliciano Javier Dacak Frutos, a escolha de Campo Grande como sub-sede é uma oportunidade única para o país vizinho. “De Assunção [capital do país] até Campo Grande são cerca de 700 quilômetros. Isso facilita a vinda dos paraguaios para verem os jogos. A Fifa é meio silenciosa em relação às decisões, mas o barulho que Campo Grande fez deve pesar a favor de Mato Grosso do Sul”, antecipa Feliciano.


Carlos Alberto Torres, ex-jogador da Seleção Brasileira e embaixador de Campo Grande para ser sub-sede da Copa de 2014, não vê qualquer obstáculo para a escolha. “Não tem mistério. A cidade mostrou o que pode fazer e impressionou pela animação das pessoas. Eu não posso confirmar, mas já afirmo: 'Campo Grande está na Copa de 2014' ”, disse Carlos Alberto.

 


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE