PUBLICIDADE
Geral

Venda de álcool ultrapassa a da gasolina ainda este ano em MS

| ASSESSORIA


A indústria de álcool em Mato Grosso do Sul entra 2009 comemorando números positivos do aumento nas vendas de etanol. De acordo com previsão do Sindal/MS (Sindicato da Indústria da Fabricação do Açúcar e do Álcool no Estado) com base nos dados da ANP (Agência Nacional do Petróleo), as vendas de álcool combustível devem ultrapassar pela primeira vez a comercialização de gasolina no Estado ainda neste ano.


Conforme o presidente do Sindal/MS, Roberto Hollanda Filho, os índices de crescimento estão diretamente relacionados com a procura e o consequente aumento nas vendas de veículos flex fuel em Mato Grosso do Sul. “Essa é a uma tendência nacional. Temos crescimentos expressivos não só em Mato Grosso do Sul, mas muito mais em Estados, como o Rio de Janeiro, Bahia e Minas Gerais, onde o consumo de etanol praticamente dobrou”, comparou.


Roberto Filho acrescenta ainda que são índices que mostram um crescimento que vai além do que se espera em função do forte crescimento da frota de veículos flex e que incorpora também as decisões de um número crescente de consumidores que estão optando pelo etanol ao invés da gasolina”, pontuou.


Frota flex - Números do Detran/MS (Departamento Nacional de Trânsito de Mato Grosso do Sul) apontam que em 2006 circulavam no Estado 28.530 veículos flex fuel e em 2007 eles já somavam 50.738, um crescimento de 77,84%. Já em 2008, a frota de veículos bi-combustível saltou para 79.427, alcançando índices de crescimento de 56,54% em relação a 2007.


Se a comparação do aumento da motorização flex for feita pelos números dos últimos três anos, quando o modelo lançado em 2003 começou a se popularizar no País, o crescimento atinge números ainda mais positivos, chegando a 178,5%. A positividade dos números na frota de veículos flex fez alavancar às vendas de álcool combustível e o consumo de etanol aumentou em ritmo muito acima das vendas registradas de gasolina.


“O aumento da frota e o conseqüente crescimento no consumo do etanol é altamente favorável para o consumidor. O combustível é mais barato que a gasolina, é ambientalmente correto e é produzido no Estado. Acrescentando se a todas essas vantagens, é bom lembrar que hoje o veículo movido a álcool superou a partida a frio e pega fácil, funcionando tão bem quanto um carro a gasolina, às vezes, é até mais ágil”, reforçou Roberto Filho.


Consumo - No ano passado no Estado, de acordo com a ANP, foram comercializados 267.269 metros cúbicos de gasolina tipo A (sem adição de álcool anidro) contra 246.721 metros cúbicos em 2007, ao passo que as vendas de etanol chegaram a 255.370 metros cúbicos contra 187.713 metros cúbicos em 2007. Se a comparação for feita pelo movimento de venda dos dois tipos de combustíveis nos anos anteriores, o consumo de gasolina atingiu uma casa percentual, somando aumento de 8,33% entre 2007 e 2008, enquanto no mesmo período as vendas de álcool atingiram 36,04%.


Analisando mais detalhadamente os números, o crescimento nas vendas foi expressivo nos últimos três anos, representando 29,5% de 2006 para 2007 e 33% de 2007 para 2008. Sendo que no período de 2006 para 2008, o crescimento no consumo de etanol, supera os 72%, segundo a ANP. Pelo ritmo de crescimento, já é possível afirmar que “as vendas de etanol já superaram a da gasolina no Estado”, afirma o presidente do Sindal/MS.


Sucroenergético - Esse crescimento antecipa e comprova as possibilidades sólidas e positivas de expansão do setor sucroenergético em Mato Grosso do Sul, que fechou 2008 com 14 usinas operando. “Ainda não fechamos os números, mas já é possível afirmar que teremos 18 milhões de toneladas de cana-de-açúcar. Isso significa 1,3 bilhão de litros de álcool e 800 mil toneladas de açúcar”, calculou Roberto Filho.


Ainda de acordo com o presidente do Sindal/MS, o planejamento de investimentos por parte da iniciativa privada no Estado, demonstra perspectivas de instalação de outras dez novas unidades que também devem dar um salto na economia de Mato Grosso do Sul com milhares de contratações. “A despeito da crise financeira que vem derrubando, dia após dia, os mercados globais, a iniciativa privada planeja investir em Mato Grosso do Sul com a instalação de mais dez unidades”, confirmou.


Por conta dos investimentos, Roberto Filho projeta uma safra histórica, dobrando a produção de álcool, que já será recorde este ano. “Estamos projetando para a safra de 2009/2010, que sejam processadas 34 milhões de toneladas de cana-de-açúcar e que passaremos de dois bilhões de litros de álcool”, estimou acrescentando que o etanol se consolida como combustível abundante, com preço muito mais atrativo que o da gasolina e por conta desses fatores, ainda mais consumido.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE