PUBLICIDADE
Caarapó

Vereador "Manezinho" pode perder cadeira na Cãmara

Vereador Manoel Batista de Souza, o "Manézinho" (PRP), pode perder vaga na Cãmara Municipal de Caarapó, caso o (TSE) confirme que a regra sobre os mandatos dos candidatos pertença aos partidos, e não aos candidatos.

| CAARAPONEWS


 

Após a posição do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que em consulta apresentada pelo DEM respondeu que os mandatos pertencem aos partidos e coligações e não aos candidatos eleitos, vários suplentes a cargos políticos no Brasil entraram na justiça para conseguir a vaga de Senadores, Deputados, Governadores e Vereadores que trocaram de siglas após a eleição.

 Em Caarapó há apenas um caso semelhante, o do vereador Manoel Batista de Souza, (Manézinho), que logo após sua reeleição, trocou o PMDB pelo pequeno (PRP).

 Se for mantida essa regra o suplente a vaga do (PMDB), Toninho Lima, ficaria com a vaga de “Manézinho”. Em conversa com a equipe do CaarapoNews, Toninho disse que vai procurar se informar melhor sobre o assunto e aguardar para ver no que vai dar, ele disse que não tem interesse em tomar nada de ninguém, mas se for decidido que o mandato realmente pertence ao partido e não ao candidato, ele vai procurar os seus direitos.

 Já o vereador “Manézinho”, não foi localizado por nossa equipe nessa terça-feira, mas pessoas ligadas a ele, disse que ele está tranqüilo em relação a isso, pois segundo o mesmo, a decisão do TSE não pode ser retroativa e só poderia valer após as próximas eleições. "Isto é um assunto que tem que entrar na reforma política e não ser retroativo, fui eleito pelo povo e só devo sair se eles não me quiserem mais”, teria dito Manézinho.

 Outros políticos no estado e no Brasil, entraram com tal recurso no (TSE), alguns com sucesso como o caso do vereador de São Paulo Carlos Neder (PT), que conseguiu nessa terça feira assumir uma vaga na cadeira da Câmara Municipal Paulistana, outros casos também já foram noticiados de sucesso de quem entrou com a ação, mas na maioria a indefinição permanece, e pelo visto muita água ainda vai rolar até se chegar a uma decisão.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE