PUBLICIDADE
Caarapó

Em visita a Caarapó, Coronel da PM comenta onda de violência

Coronel diz que Rotai passará a atuar no município constantemente

| CAARAPONEWS


Por André Nezzi

O Tenente Coronel Guilherme Gonçalves, comandante do Terceiro Batalhão da Polícia Militar de Dourados, que abrange o município de Caarapó, visitou a cidade na tarde de quarta-feira (4), onde se reuniu com autoridades municipais na Câmara de Vereadores para discutir a segurança pública local.

  Logo após o encontro, o comandante atendeu a reportagem do CaarapoNews no Batalhão da PM, onde comentou sobre o aumento da criminalidade na cidade.
  De acordo com Gonçalves, o aumento populacional repentino do município, a impunidade, a baixa qualidade na educação e a falta da família são fatores que contribuem para isso. “O que ocorre é, que quando acontece essa onda de violência, a culpa recai toda sobre a Polícia Militar, quando na verdade envolve toda a sociedade. Não basta combater os efeitos, é preciso discutir as causas, que são muitas. Segurança pública é uma questão muito séria, um clamor popular", disse o coronel.

“Veja bem, quando eu era criança e meus pais diziam para eu não sair de casa, eu não saía, porque era repreendido e eu os respeitava. Hoje, menores de idade ficam nas ruas até tarde da noite, bebendo, se prostituindo, se drogando, cadê a família nessa hora? Está havendo uma inversão de valores”, ponderou.
  Assim como o Delegado de Polícia Civil de Caarapó, Joel José da Silva, que afirmou ser a favor da redução da responsabilidade penal para 14 anos, o coronel também se mostrou favorável. “Um adolescente de 14 anos sabe muito bem o que está fazendo e deve arcar com seus atos. Na maioria das ocorrências, existem menores envolvidos, eles praticam o delito uma, duas, três vezes e não são responsabilizados, e isso os encoraja e os motiva a praticar novamente; infelizmente nossas leis permitem isso”, afirmou.
  Questionado sobre se o efetivo policial em Caarapó é suficiente para atender a cidade, os dois distritos e também a reserva indígena, o coronel disse que, apesar do município ter sido um dos que mais receberam policiais na região nos últimos anos, esse número ainda não é o suficiente.
  “Hoje contamos com aproximadamente 20 policiais militares aqui, que se revezam em suas escalas. O número não é suficiente, existe uma defasagem muito grande na quantidade de policiais em todas as cidades, o Governo está com boa vontade, realizando concursos, mas ainda é necessário que tenhamos pelo menos mais dois mil homens no estado e pelo mais vinte em Caarapó, que atingiria 40 homens, número ideal para o município, mas para que isso aconteça é preciso que os políticos e a sociedade em geral se articulem”, defendeu.
  Segundo o comandante, a solução para segurança pública é investir em tecnologia, “em grandes cidades estão sendo instaladas câmeras de segurança nos locais com maior aglomeração de pessoas e as estatísticas mostram que uma câmera substitui 18 policiais. Esperamos em um curto espaço de tempo conseguir com que a tecnologia chegue aos demais municípios”, observou.

Quanto a uma resposta imediata à  população sobre os criminosos que vêm agindo em Caarapó, o coronel disse que algumas medidas estão sendo tomadas e uma delas são as rondas durante a madrugada e também o reforço policial da FT (Força Tática), que passará a atuar na cidade constantemente, sem data fixa e com ação rigorosa.
  “Espero que a população compreenda a ação da FT, que é composta por policiais de fora que não conhecem ninguém na cidade. Talvez eles possam abordar um cidadão de bem e pedir para que coloque as mãos na parede, um procedimento normal de abordagem, pode ser constrangedor, mas é necessário. A única coisa que vou exigir deles é que sejam educados”, afirmou Guilherme Gonçalves, que finalizou dizendo que conta com a colaboração do Poder Judiciário para que as penas para os infratores sejam severas e exemplares. (Colaborou Dilermano Alves)

     

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE