PUBLICIDADE
Caarapó

Senador: fuga de membros do PCC foi planejada em Pedro Juan

| DOURADOSNEWS


Em uma entrevista ao programa “Alerta Vermelho” na Cáritas Rádio 680 AM, de Assunção no Paraguai, o senador paraguaio Robert Acevedo afirmou que a fuga de dois traficantes do Primeiro Comando da Capital - PCC no último final de semana foi planejada na cidade de Pedro Juan Caballero, fronteira com Ponta Porã.

Ele acusou que agentes da Secretaria Nacional Anti-drogas – Senad do Paraguai receberam 30 mil dólares para dar cobertura à fuga, que ele fez um relatório sobre isso e que ninguém quer investigar.
O juiz brasileiro Odilon de Oliveira era outro, que segundo Robert havia alertado que se preparavam planos de fuga dos dois criminosos. Robert está revoltado com a situação, pois um dos fugitivos, Nilton Antunes, foi preso quando preparava atentados contra o senador, que na época era governador do Estado de Amambay, do qual Pedro Juan é capital e contra o próprio Odilon de Oliveira.
Nilton foi preso em 2005 em Pedro Juan Caballero com 102 quilos de cocaína que pertencia ao PCC.
A fuga


Tudo começou quando Elizabeth Liliana Ferreira Villasanti, que trabalha em uma casa com sauna e massagens, mas que em alguns jornais paraguaios foi apontada como sendo uma prostituta, foi contratada no dia anterior por, Antunes para visitá-lo. Ela foi levada por um taxista à Associação Especializada pouco após meio-dia e disse que tinha um trabalho a realizar ali dentro. O funcionário assistente Willian Agüero não desconfiou e abriu o portão do presídio e ela foi até Antunes.
Quando o funcionário abriu o portão de novo para ela sair, Carmelo Ortiz que estava com os outros colegas que fugiriam no pátio do presídio renderam o guarda que abriu o portão e o colega dele. Carmelo é conhecido no Paraguai pelo rapto de Evelyn Kuo, um seqüestro em que ele fracassou e foi preso. Carmelo já foi sub-oficial de polícia e deve 30 anos para a Justiça.
Com uma faca na mão ele rendeu os dois, enquanto os demais bandidos estavam com pistolas 9 milímetros que até agora ninguém sabe como entraram naquele presídio. Depois eles pularam o muro e do outro lado os esperava um carro Vectra preto, onde entraram os três bandidos fugitivos.

Por ironia do destino, Carmelo Ortiz não teve tempo de sair, pois levou um tiro na coxa quando outros agentes ao perceber a movimentação apareceram.
Os outros não foram atingidos, pois de acordo com o jornal Ùltima Hora da Capital paraguaia, os dois guardas que estavam responsáveis por cuidar dos bandidos no pátio só tinham duas balas cada, quatro no total. Quando o reforço chegou eles já não tinham mais nenhuma bala.
Versões publicadas pelos jornais paraguaios na manhã de hoje (07), no entanto, dão conta de que Antunes teria pago até US$ 500 mil pela fuga, com os delegados Carlos Humberto Aguilera e Ceber Lovera sendo apontados como destinatários do dinheiro. Os policiais negam o envolvimento.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE