PUBLICIDADE
Caarapó

Pai e filha morrem em queda de avião roubado


Kléber Barbosa da Silva e filha de cinco anos morreram na queda de um avião de prefixo PT-VFI, pilotado por ele, que caiu no começo da noite de ontem no estacionamento de um shopping, em Goiânia. De acordo com a polícia, Kléber, depois de agredir  esposa Érica, alugou o avião em Luziânia (GO) para um vôo panorâmico com a filha. Mas, antes da decolagem, expulsou o piloto e assumiu o controle da aeronave.


O Comando da Aeronáutica (Comaer) informou que, embora a aeronave roubada estivesse sendo monitorada por aviões da Aeronáutica, não houve contato via rádio com Kléber. O motivo da queda do avião será investigado pelo Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa). Segundo a polícia, alguns carros que estavam no estacionamento foram atingidos, mas ninguém ficou ferido. A esposa dele foi encaminhada para o hospital.
 

ESTUPRO
 

Kleber, que estaria desempregado,   teria sua prisão temporária pedida pela polícia na manhã de hoje, acusado de estuprar uma adolescente de 13 anos em Aparecida de Goiânia, na região metropolitana de Goiânia.
 

O crime foi cometido na segunda-feira e a estudante reconheceu a fotografia de Silva como autor do estupro. A menina também identificou quatro números da placa do Vectra branco utilizado pelo estuprador - descrição que também coincide com a do carro do desempregado, abandonado ontem no estacionamento do aeroclube de Brasília.


Segundo o depoimento da menina, ela foi abordada por volta das 12h30 no bairro Gavelo, região comercial de Aparecida de Goiânia, quando estava a caminho da escola, e foi convencida a entrar no carro. Depois de circular pela periferia da cidade por cerca de uma hora, segundo a menina, Silva parou numa estrada de terra e cometeu o estupro. Depois, a deixou novamente no local onde a apanhou. No retorno, ainda ameaçou espancá-la para que parasse de chorar.


"Todos os indícios apontam para ele. Por isso, iríamos pedir sua prisão temporária", disse a delegada Ana Elisa Gomes Martins, da Delegacia de Apuração de Atos Infracionais (Depai) de Aparecida de Goiânia. 


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE