PUBLICIDADE
Política

Presidente da Câmara de Cassilândia é acusado de receber Bolsa Família

| TV MORENA


O presidente da Câmara de Vereadores de Cassilândia, Rosemar Alves de Oliveira (DEM), mais conhecido como 'Fivela', está sendo acusado de ter a família cadastrada e de receber o benefício do Programa Bolsa Família, do governo federal, mesmo já no exercício do mandato no legislativo municipal, quando em razão da remuneração que recebe como parlamentar, cerca de R$ 5.572, não estaria enquadrado nos critérios de benefício do programa.
 

A denúncia, protocolada na própria Câmara de Vereadores de Cassilândia, foi apresentada na segunda-feira (16), pelo funcionário público do município Paulo Cesar Ramos. Em um documento de quatro páginas, ele pede o afastamento do Oliveira de suas funções, por improbidade administrativa e falta de decoro parlamentar.
 

Ramos, anexa para embasar sua denúncia um suposto relatório do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome, que seria datado do dia 27 de fevereiro deste ano, em que aparece o nome da esposa do presidente da Câmara, Rosemar Barbosa Fernandes, o do próprio vereador, Rosemar Alves de Oliveira, e o de suas três filhas, de 10,8 e 6 anos, como beneficiários dos programas sociais do governo federal.
 

Outro lado

Ao Portal TV Morena, o vereador, que está no seu primeiro mandato, admitiu que sua esposa realmente se cadastrou no Bolsa Família, mas no início do ano passado, quando a família passava por sérias dificuldades financeiras, precisando inclusive do socorro de amigos. Oliveira, diz quem razão da própria burocracia do programa, o pagamento do benefício, que seria de aproximadamente R$ 120, começou a ser feito cerca de quatro meses depois e que sua família teria recebido no máximo três meses.

 

“Logo depois fui eleito e pedimos para cancelar o benefício, como atesta um certidão que foi emitida pela Secretaria Municipal de Bem Estar Social datada do dia 8 de janeiro deste ano. Então essa denúncia não procede. Não tem fundamento nenhum”, diz o vereador, completando que a acusação teria motivações políticas e que pretende processar Ramos por calúnia e difamação.
 

O município

Procurada pela reportagem do Portal TV Morena, a secretária de Bem Estar Social de Cassilândia, Márcia Azambuja, disse que não poderia se pronunciar sobre o caso antes de uma reunião que está ocorrendo nesta noite com a assessoria jurídica do município.
 

Segundo caso

Esse é o segundo caso deste ano envolvendo vereadores do Estado que estariam recebendo o Programa Bolsa Família. O primeiro foi o do vereador Ramon Araújo (PR), de Antônio João. Mesmo no exercício do mandato, sua esposa, Denise Aparecida Pereira Rios, recebeu o Bolsa Família e o Vale Gás.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE