PUBLICIDADE
Caarapó

Exportações de MS caem pela metade, Caarapó é a mais atingida

Caarapó caiu de sétima para vigésima terceira no ranking

| TV MORENA


As exportações do Estado caíram pela metade no primeiro bimestre deste ano em relação ao mesmo período de 2008. Este ano, Mato Grosso do Sul exportou apenas US$ 119,09 milhões, contra US$ 237,53 milhões no ano passado. A queda nos negócios internacionais é de 49%. Os dados são da Balança Comercial Brasileira por município, divulgada na sexta-feira pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.
 

A queda foi maior nos municípios pequenos, como Caarapó, por exemplo. Em 2008 o município havia exportado US$ 6,48 milhões, ficando na sétima posição no ranking estadual. Este ano foram exportados apenas US$ 211,84 mil e Caarapó despencou para a 23º posição.


Campo Grande exportou US$ 18,55 milhões até fevereiro, apenas US$ 380 mil a mais que Dourados, que enviou ao exterior US$ 18,17 milhões em produtos. O resultado ruim, sobretudo de Dourados e Corumbá, é devido à queda brusca nas exportações de soja, carnes e minério de ferro em decorrência da crise internacional.
 

Corumbá ficou em terceiro lugar, com US$ 14,63 milhões, seguido de Sidrolândia, com US$ 11,98 milhões, Naviraí, com US$ 11,15 milhões, Ponta Porã, com US$ 7,07 milhões, Chapadão do Sul, com US$ 6,72 milhões e Três Lagoas, com US$ 5,47 milhões.
 

No ano passado, Ponta Porã havia liderado as exportações até fevereiro, mas logo em seguida foi ultrapassada por Corumbá, que se manteve na frente até o final do ano. Mas a diferença de valores é muito grande. Enquanto Ponta Porã liderou no ano passado, com US$ 63,61 milhões, este ano Campo Grande lidera com apenas US$ 18,55 milhões.
 

A capital havia exportado até fevereiro do ano passado US$ 32,80 milhões, ficando na quarta posição. O valor remetido em mercadorias este ano significa a metade disso. Corumbá havia exportado no ano passado US$ 43,97 milhões e Dourados US$ 33,71 milhões no período.


  Nova Andradina, que exportou US$ 10,36 milhões, teve os negócios internacionais reduzidos para US$ 3,84 milhões. Batayporã teve as exportações reduzidas de US$ 5,71 milhões para US$ 2,66 milhões. O resultado de Bataguassu foi ainda pior. O município que tinha exportado US$ 4,89 milhões em 2008, fechou fevereiro com apenas US$ 89 mil.
 

Entretanto, Naviraí traçou caminho inverso. Com o único frigorífico do Estado exportando carne bovina, o município fechou fevereiro com US$ 11,15 milhões em negócios exteriores, contra apenas US$ 1,30 milhão em 2008. Chapadão do Sul também. O município exportou este ano US$ 6,72 milhões, contra US$ 346,88 mil no ano passado. Três Lagoas é outra cidade que aumentou o envio de mercadorias ao exterior, passando de US$ 2,51 milhões no ano passado para US$ 5,47 milhões este ano. Costa Rica aumentou de US$ 1,71 milhão para US$ 3,33 milhões.


IMPORTAÇÕES


O maior importador continua sendo Corumbá, com US$ 229,72 milhões. Porém a crise internacional afetou a importação de gás natural, responsável por toda a importação de Corumbá. É que o gás natural da Bolívia entra no Brasil por Corumbá. No ano passado o município havia importado US$ 363,64 milhões, quase o dobro. O segundo maior importador foi Três Lagoas, com US$ 70,51 milhões e o terceiro Bataguassu, com US$ 23,37 milhões. Campo Grande importou US$ 18,48 milhões, Andradina US$ 8,14 milhões e Rio Brilhante US$ 3,23 milhões. Dourados importou apenas US$ 895 mil.
 

Apesar de Dourados ter ficado em segundo no ranking das exportações, praticamente empatado com Campo Grande, mantém o melhor saldo de exportações do Estado. Dourados tem um saldo (exportações menos importações) de US$ 17,28 milhões, contra um saldo de apenas 67 dólares de Campo Grande. O saldo mais negativo é o de Corumbá, com -US$ 215,09 milhões. O segundo pior saldo é o de Três Lagoas, com -US$ 65,04 milhões, seguido de Bataguassu, com -US$ 23,28 milhões.
   

A melhor corrente de comércio (soma das exportações mais as importações) é de Corumbá, com US$ 244,36 milhões. A segunda melhor é a de Três Lagoas, com US$ 75,98 milhões, seguido de Bataguassu, com US$ 23,46 milhões. A Corrente de comércio de Campo Grande é de US$ 37,03 milhões e a de Dourados US$ 19,07 milhões.  

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE