PUBLICIDADE
Geral

Carro despenca em córrego; motorista sai consciente

| MIDIAMAX


Cleosvanei de Almeida Rosa, 23 anos, teve ferimentos leves após perder o controle do carro Fiat Uno que dirigia e cair no córrego Anhanduizinho, próximo ao hospital Rosa Pedrossian, região sudoeste da Capital, por volta das 11h30 de hoje, 22 de março.
 

Ele trafegava pela avenida Norte/Sul sentido Centro/Bairro quando o veículo Fiat Uno branco placas HOH 3965 (de Campo Grande) perdeu a direção e caiu no córrego. Eunice de Feitosa, 46 anos, disse que o Uno vinha devagar quando de repente caiu. “Ele vinha bem devagar, acabado de fazer uma curva ali perto, quando, do nada o carro se desgovernou e puxou para a esquerda [Cleosvanei vinha pela pista da direita, segundo a testemunha, e o córrego fica na margem esquerda desta pista]. Só pode ter havido um problema mecânico eu acho”, completa a testemunha, que mora bem próximo ao local do acidente.
 

Ainda conforme Eunice Feitosa, Cleosvanei saiu logo após a queda. “Ele saiu só com uns arranhões na mão direita”, disse.
 

O rapaz teria sido levado pelo Corpo de Bombeiros para o hospital Rosa Pedrossian para exames de rotina. Uma das pessoas que passavam pela avenida no momento do acidente auxiliaram o rapaz e ligaram para sua mãe.
 

“Achei que fosse trote. Ele tainha acabado de sair de casa lá na Nhá-Nhá [vila bem próxima ao local do acidente] para passear. O carro não tinha nada de errado. E o pessoal viu aqui. Todos disseram que ele estava bem devagar”, disse Rosa Iracema de Almeida Rosa, 39 anos, mãe de Cleosvanei trabalhador em uma gráfica.

 

“Isso aqui precisa de um guard rail urgente [proteção inexistente em grande extensão da avenida, inclusive onde foi o acidente] porque não tem como evitar um acidente assim”, diz indignado e preocupado ao mesmo tempo o padrasto do rapaz, Alfredo Ribeiro.

 

A preocupação de Alfredo é a mesma de outros moradores da região. “Direto isto aqui é local de acidente. A gente fala e fala. Nós reclamamos para a Prefietura diversa vezes, mas o prefeito não atende. Precisa de uma proteção aqui na beirada do córrego sim”, diz o mecânico Juracir Santana, 49 anos.

 


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE