PUBLICIDADE
Caarapó

Começou o julgamento de PMs envolvidos em execução

| DOURADOSINFORMA


Já foi iniciado no Tribunal do Júri de Dourados o julgamento do tenente PM Gilberto Luiz dos Santos e do soldado PM Manoel José Ribeiro, conhecido como “Manelão”. O corpo de jurados, sorteado pelo juiz José Henrique Kaster Franco, da Vara Criminal de Nova Andradina, é formado por quatro homens e três mulheres.


Os PMs são acusados de homicídio qualificado com agravante de ação de extermínio. O crime aconteceu há 12 anos. Eles teriam matado com sete tiros Jorge Maqueibe da Costa. Na época os PMs faziam parte do GOF – Grupo de Operações da Fronteira – hoje DOF – Departamento de Operações da Fronteira.


Jorge seria um assaltante de São Paulo que teria vindo cometer crimes no Estado. Segundo a polícia, essa pessoa tinha uma ficha extensa e era tida como um criminoso de alta periculosidade. Ele foi preso quando assaltava uma boate em Dourados.


Dois outros policiais que também foram acusados de envolvimento já foram absolvidos: o subtenente Adão Gonçalves que comandava a guarnição no dia e o soldado Wilson Cristaldo de Souza, o “Wilsinho”, ambos na reserva da PM.


O criminoso teria se apossado da arma de “Manelão” depois do mesmo ter sido detido, momento em que teria sido atingido por Geraldo.


O advogado Upiran Jorge Gonçalves faz a defesa de Gilberto assistido por Robson Luiz e “Manelão” está sendo defendido pelo advogado Isaac Duarte de Barros. A promotora pública do caso é Cláudia Almirão.


Upiran deve argumentar que Gilberto atirou no cumprimento do dever; Issac deverá negar a autoria do crime de seu cliente e o MP deverá se manifestar pela absolvição dos réus. “Manelão” foi afastado da PM, mas ele recorreu da decisão. Gilberto era sargento na época do crime.
 


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE