PUBLICIDADE
Caarapó

Após 70 anos, 3 irmãs se reencontram em Dourados

| MIDIAMAX


Muita emoção marcou o reencontro de três irmãs em Dourados. Depois de passarem 70 anos sem notícia uma da outra, Badia Otácio Portilho, 73 anos, e Zenir Otácio de Mattos, 77 anos, reencontraram Clotilde Otácio de Oliveira, 80 anos. O reencontro aconteceu na noite de terça-feira.
 

Clotilde, Badia e Zenir nasceram em Nioaque e depois da morte dos pais foram separadas. Badia e Zenir foram morar com uma família que depois de muitos anos passaram a residir em Dourados enquanto que Clotilde foi para Campo Grande com outra família e nunca mais se viram. As três casaram-se, tiveram filhos e agora são viúvas. Badia teve sete filhos. Clotilde e Zenir são mães de seis filhos.
 

Clotilde sempre alimentou a esperança de encontrar suas irmãs desaparecidas e somente ficar depois de ficar e sentir muita solidão pediu para sua filha Ramona Santana para que procurassem por Badia e Zenir. Depois de muita busca, Ramona conseguiu localizar as tias através de um contato com a assistência social Vera Lúcia depois de analisar documentos e nomes dos familiares junto a Secretaria de Segurança Pública localizou Badia e Zenir.
 
 

O interessante é que Vera Lúcia já conhecia as duas irmãs desaparecidas. Eram suas vizinhas no jardim Maracanã, em Dourados onde reside. Também ajudou nesta busca a secretária de Promoção Social de Douradina, Maria Nilza Gomes Vieira, que ofereceu a estrutura do órgão para ajudar nas buscas.
 

O encontro foi marcado de muita emoção, segundo Ramona Santana, que trouxe a mãe para rever as duas irmãs. As três afirmaram que nunca mais vão se separar e aproveitaram para relembrar a infância passada em Nioaque e contar o que viveram nestes setenta anos de separação. Clotilde, Zenir e Badia vão ficar alguns dias juntas em Dourados e aproveitar para conhecer os sobrinhos, netos e bisnetos.

iniciaCorpo("15;12;16;13;17;14;18;15");

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE