PUBLICIDADE
economia

Endividados fazem 'malabarismo' para pagar contas em janeiro

| DOURADOSNEWS


O mês de janeiro se inicia e com ele a preocupação de muitos para conseguir quitar as despesas pós-comemorações e a apreensão com as contas que chegam nesta época como IPTU, IPVA, material escolar dos filhos, além dos débitos rotineiros. Esse “sufoco” nas finanças deve ser solucionado da melhor maneira possível para não gerar dívidas ainda maiores e um ano todo no “vermelho”. Por isso, é necessário que as pessoas realizem verdadeiros exercícios em seus lares.
 

Para o professor de economia da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados) Caio Luis Chiariello, o primeiro passo é se organizar e buscar ao máximo não se endividar ainda mais.
 

“Colocar tudo no papel, as despesas e os ganhos mensais e buscar o que será mais viável fazer. Quando se está endividado os gastos que não são essenciais devem ser cortados, para que a situação não fique ainda mais complicada”, ressalta.
 

A melhor maneira de quitar as dívidas é tentar negociar com o credor buscando parcelar com juros menores, se possível sem entrar em empréstimos. “Vise conversar, renegociar, peça prazos, enfim, há o interesse em receber então tente uma forma que seja boa para ambas as partes, já que essa é a melhor alternativa,” explica.
 

Se o saldo for muito alto e não houver como ficar sem realizar empréstimos, é necessário se atentar para fugir de juros abusivos e pesquisar o que fornece melhores condições para pagamento. “ O CDC – Credito Direto aos Consumidor- costuma ter taxas menores com desconto em folha de pagamento, sendo uma boa opção. Não recomendo recorrer ao cheque especial, nem ao limite bancário, estes são soluções mais rápidas porém com muitos acréscimos no montante”, explica.
 

Outra “armadilha”, segundo o economista é pagar o valor mínimo do total da fatura do cartão de crédito ou entrar em intermináveis parcelas com o mesmo. “O juros do rotativo do cartão chega em média a 15%, essa é a pior opção financeira que o orçamento familiar pode ter”, pontua.
 

A artesã Ana Reis, 22, está buscando a melhor forma de sair do “vermelho” após extrapolar com os gastos no final do ano. A alternativa buscada por ela, será trabalhar dobrado para não ter que recorrer a empréstimos. “Fim de ano isso sempre acontece, na empolgação gastei demais com presentes e na organização das festas, agora vem o aperto. O momento é buscar trabalhar mais, para conseguir um dinheiro extra para pagar as dívidas, já que os empréstimos só complicam mais a situação”, pontuou.
 

Teodomiro conta que começou o ano com dívidas e pretende controlar a situação. (Foto: Gizele Almeida)Teodomiro conta que começou o ano com dívidas e pretende controlar a situação. (Foto: Gizele Almeida)

O aposentado Teodomiro Melo dos Reis,53, conta que começou o ano com dívidas e pretende controlar a situação. Ele já paga um financiamento e afirma não querer mais recorrer a este serviço.
 

“Ano passado troquei de carro então tenho as parcelas que são altas mais as contas de sempre e também as que vieram com o final de ano como viagem e comemorações. Estou pagando algumas e depois com a ajuda do salário da minha esposa que virá, vamos quitar o IPTU e o IPVA e também vou buscar parcelar algumas outras mas só não quero ter que buscar auxílio no banco novamente”, conta.
 

Chiarello ressalta que é importante se organizar já agora nos primeiros meses para não voltar a ficar endividado.
 

“O recomendado é fazer um orçamento mensal e anual. Outra dica é usar o cartão de crédito de forma inteligente, concentrando o pagamento das contas mensais, fazendo o máximo para pagar sempre todo o valor da fatura”, finaliza.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE