PUBLICIDADE
Caarapó

Juiz e Promotora de Caarapó criticaram audiência pública

O Juiz Eduardo Trevisan Lacerda (foto acima) e a Promotora de Justiça Fabricia Barbosa Lima criticaram a audiência pública referente a instalação da fábrica de Biodiesel em Caarapó.

| CAARAPONEWS


 

O Juiz Eduardo Lacerda Trevisan e a Promotora de Justiça Fabricia Barbosa Lima, participaram da audiência pública referente a instalação da fábrica de Biodiesel da Agrenco em Caarapó, realizada na noite do dia 19 no auditório da Câmara Municipal.

A Promotora Fabrícia estranhou o fato da audiência se realizar depois do início da obra. Segundo ela, estas audiência devem ocorrer antes do início de empreendimentos que possam causar danos ao meio ambiente e à saúde das pessoas.

O Juiz Eduardo achou que audiência pública pouco contribuiu para esclarecer as pessoas. Para ele, os termos técnicos utilizados dificultaram a compreensão por parte da população da cidade. O Juiz afirmou: “ a audiência trouxe mais dúvidas do que esclarecimentos. A  mim me parece que só foi feita para cumprir um protoloco legal. Quando eu quis me manifestar, disseram que teria que ser por escrito. Eu e a Promotora fomos embora sem estarmos seguros se o empreendimento vai respeitar a saúde do povo e a preservação do meio ambiente, principalmente pelo fato da fábrica estar localizada ao lado da cidade. O que o Judiciário e o Ministério Público querem é atuar na defesa da saúde das pessoas e do meio ambiente. Quanto à outra usina que virá, a de álcool, nós queremos o compromisso de que não haverá queimadas, pois se ocorrer, todos os moradores serão afetados. A usina de álcool deve fazer a colheita de forma mecânica e não realizar queimadas. Seremos implacáveis na defesa dos direitos da população”. Finalizou o Juiz a reportagem do CaarapoNews.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE